Mulheres na literatura: quem é Milena Busquets?

Mulheres na literatura: quem é Milena Busquets?

Postado em:
Blog - Escritoras
- 07/05/2022 09:13:08

A Amora selecionou 12 livros para ler em 2022 e, entre eles, está o "Isso também vai passar" da autora catalã Milena Busquets. Uma obra que colocou a autora entre as mulheres na literatura espanhola contemporânea que mais se destacaram na última década. Nascida em Barcelona, em 1972, Milena cresceu numa casa cheia de artistas. Sua mãe, escritora, e seu pai, poeta, faziam parte da "Esquerda Divina", um movimento político-cultural na efervescente Barcelona dos anos 1960. Frequentou o liceu francês da cidade e, em seguida, foi estudar Arqueologia em Londres. 

De volta à Espanha, passou a trabalhar ao lado da mãe no mercado editorial. "Isso também vai passar" é seu segundo romance, mas o primeiro que despertou o interesse de grandes editoras europeias na Feira do Livro de Frankfurt, em 2015. Hoje o livro está traduzido em mais de 30 idiomas e Milena já publicou outros dois, "Gema" (2021) e "Las Palabras Justas" (2022), além de uma coletânea de artigos na imprensa espanhola intitulada "Hombres Elegantes y otros artículos" (2019). Ela mantém uma coluna no jornal catalão El Periódico e é tradutora de inglês, francês e catalão para o espanhol.

Tanto em "Isso também vai passar" quanto em "Gema", Milena usa o tema da perda como catalisador da narrativa. Contudo, ela não fala da morte em si, mas de como ficam os que não se foram. Para ela, o importante da vida acontece nas minúcias, no dia a dia, e não na política, na economia e nas manchetes dos jornais. Viver é ir ao mercado, buscar os filhos na escola, chorar numa peça de teatro, paquerar num bar ou mergulhar no mar. Uma de suas referências são os filmes de Woody Allen (muito populares na Catalunha) que, segundo ela, misturam bem a leviandade e a inteligência com um senso de humor bastante difuso. Contudo, é Virginia Woolf a sua maior musa, a quem considera a melhor escritora de todos os tempos.

Em uma entrevista ao jornal argentino La Nación, Milena confessa que Blanca, personagem principal de "Isso também vai passar" é, de certa forma, seu alter-ego e que o livro é uma autoficção, como quase toda a sua obra. Milena teve uma relação muito estreita com a sua mãe e processou o luto dando impulso à inspiração de viver mais intensamente, como Blanca na praia de Cadaqués. 

Milena não prega a independência da Catalunha e não acredita que, por ser uma autora conhecida, tenha que tomar partido nesse tema. Gosta mesmo é de viver e escrever e não a crê em esnobismo cultural. "Nem todos os que assistem a jogos de futebol são idiotas, nem todos os que leem Proust são superiores", afirma. Essa personalidade leve muitas vezes é confundida com futilidade. Mas, para ela, é frivolidade. "A frivolidade me ajuda a não entrar em pânico. É como o humor. Para mim é uma virtude que está no nível da beleza e da inteligência".
 

Para ler outros livros que trazem o olhar e a perspectiva das mulheres na literatura, assine a Amora. 

Todo os meses, na sua casa, uma caixinha com um livro surpresa de uma autora contemporanea e outras surpresas especiais! 

clica aqui pra assinar e receber sua primeira caixinha no mês que vem! 

Leia também: 
Quem é Leïla Slimani, autora de No jardim do Ogro

Conheça o projeto Pé de Amora 

Entrevista com Marcela Dantés, autora de Nem sinal de asas 

Entrevista com Socorro Acioli, autora de A Cabeça do Santo 

A curadoria da Amora 

5 motivos para ler mais mulheres 

Mulheres na literatura: livros que explicam o mundo

 

​​